segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Mascara: uma tímida arrogância manifestada pela alma dos inseguros


Epictetus nasceu escravo, e se tornou um dos grandes filósofos de Roma. Foi expulso da cidade no ano 94, e criou - no exílio - uma maneira de ensinar a seus discípulos.
Comentava a respeito dos encontros com outras pessoas: “Duas coisas podem acontecer quando nos encontramos com alguém: ou nos tornamos amigos, ou tentamos convencer esta pessoa a aceitar nossas convicções. O mesmo acontece quando a brasa encontra um outro pedaço de carvão: ou compartilha seu fogo com ele, ou é sufocada por seu tamanho, e termina se extinguindo”.
“Como, geralmente, somos inseguros num primeiro contacto, tentamos a indiferença, a arrogância, ou a excessiva humildade. O resultado é que deixamos de ser quem somos, e as coisas passam a se dirigir para um estranho mundo que não nos pertence”.
“Para evitar que isto aconteça, permita que seus bons sentimentos sejam logo notados. A arrogância geralmente é uma máscara banal da covardia, e termina impedindo que coisas importantes floresçam na sua vida”.

“O pior mentiroso não é aquele que sai pela vida contando anedotas e sim aquele que finge ser o que não é, e deixa de ser quem sempre foi pela conveniência de um momento qualquer”.


Thiago Mendes

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Aprendendo a viver as diferenças


Em sua autobiografia, Mohandas Gandhi conta que, durante seu período de estudante na África do Sul, interessou-se pelos Evangelhos, e chegou a considerar seriamente a possibilidade de converter-se ao catolicismo.
Para obter maiores conhecimentos, resolveu ir até a igreja do bairro onde morava. Ali chegando, um homem lhe perguntou: “O que deseja?”
“Assistir a uma missa”, respondeu Gandhi. “E pedir alguma ajuda de Deus”.
Gentilmente, o homem lhe disse: “Por favor, vá até a igreja que se encontra a dois quarteirões daqui. Esta é só para brancos”.
Nunca mais Gandhi retornou a uma igreja.

"Pregue o tempo todo, se preciso use palavras" - São Francisco de Assis.


"Amar e saber compreender as diferenças sempre será a melhor de todas as pregações".



Thiago Mendes



quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Aprendendo com a vida...


Jean passeava com seu avô por uma praça de Paris. A determinada altura viu um sapateiro sendo destratado por um cliente, cujo calçado apresentava um defeito.
O sapateiro escutou calmamente a reclamação, pediu desculpas, e prometeu refazer o erro.
Pararam para tomar um café num bistrô. Na mesa ao lado, o garçom pediu a um homem que movesse um pouco a cadeira, para abrir espaço. O homem irrompeu numa torrente de reclamações, e negou-se.
“Nunca esqueça o que viu”, disse o avô para Jean. “O sapateiro aceitou uma reclamação, enquanto este homem a nosso lado não quis mover-se. Os homens úteis, que fazem algo útil, não se incomodam de serem tratados como inúteis. Mas os inúteis sempre se julgam importantes, e escondem toda a sua incompetência atrás da autoridade.


“Quem não aprende com a vida; está para sempre condenado a não aprender com mais ninguém”.



Thiago Mendes

terça-feira, 25 de agosto de 2009


O poder que há no amor


Li no jornal sobre uma criança, em Brasília, que foi brutalmente espancada pelos pais. Como resultado, perdeu os movimentos do corpo e ficou sem fala.
Internada no Hospital de Base, ela foi cuidada por uma enfermeira que lhe dizia diariamente: “eu te amo”.
Embora os médicos garantissem que não conseguiria escutá-la, e que seus esforços eram inúteis, a enfermeira continuava a repetir: “Eu te amo, não esqueça”.
Três semanas depois, a criança havia recuperado os movimentos. Quatro semanas depois, voltava a falar e sorrir.
A enfermeira nunca deu entrevistas, e o jornal não publicava seu nome.
Mas fica aqui o registro, para que não esqueçamos nunca: o amor cura.


“Conhecer a si mesmo e ao inimigo, sempre será a arma mais perigosa”.


Abraço Fraterno,


Thiago Mendes

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Não deixe que seu inimigo determine as regras do jogo


Nosso inimigo só entra na luta porque sabe que pode nos atingir. Exatamente naquele ponto em que nosso orgulho nos fez crer que éramos invencíveis.Durante a luta estamos sempre procurando defender nosso lado fraco, enquanto o inimigo golpeia o lado desguarnecido – aquele em que nós temos mais confiança. E terminamos derrotados porque acontece aquilo que não podia nunca acontecer: deixar que o inimigo escolha a maneira de lutar.
O inimigo está ali para testar nossa mão, nossa vontade, o manejo da espada. Foi colocado em nossas vidas – e nós na vida dele – com um propósito. Este propósito tem que ser satisfeito. Por isso, fugir da luta é o pior que pode nos acontecer. É pior do que perder a luta, porque na derrota sempre podemos aprender alguma coisa, mas na fuga, tudo que conseguimos é declarar a vitória de nosso inimigo. E o Soldado da Paz sabe muito bem disso.


“Não adianta cuidar dos pontos fracos, se para isso, preciso enfraquecer meus pontos fortes”.


Ótima semana,


Thiago Mendes

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

O Sol vai nascer de novo


Sim, é só olhar no horizonte e ver que a noite não é curta demais para que não sirva de bom descanso e nem longa demais para que não vejamos o sol nascer de novo.

A noite é o momento em que o silencio se instala, que a comunicação já não existe, onde os ladrões saem para atacar, onde os homicídios triplicam, é quando os jovens aumentam o uso de drogas, mas é também quando o pai de família chega do trabalho, deita ao lado de sua esposa, e recarrega suas forças, porque afinal amanhã o sol nascerá de novo.

O Soldado da Paz sabe que lutar durante o dia é sempre melhor, mas há batalhas que só podem ser travadas no meio da noite.

“O importante não é a hora do combate, e sim o quanto eu me preparei para ele”.

Com todo carinho do mundo,

Thiago Mendes

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Hoje acordei sem inspiração


Não há nada o que dizer. Sim – não há nada interessante para escrever. Alguns dias em nossa vida o silêncio simplesmente é a palavra mais sábia. Ouve muitos momentos em minha vida que deveria ter me calado e falei. Ninguém pode nos condenar por aquilo que não dissemos, mais podemos nos tornar júris de nossa própria língua.

Então lá vou eu, antes que eu me condene.

Abraço Fraterno,

Thiago Mendes

segunda-feira, 17 de agosto de 2009




Um dia de descanso


Um bom Soldado da Paz se cansa, mais vê o cansaço apenas como a hora que o corpo diz que é momento de parar um pouco e guardar energias para a luta de amanhã. O Soldado da Paz vigilante é aquele que luta com garra, ama com paixão, sorri com graça, chora com desespero; ou seja, que vive cada momento como o momento pede que se viva. Mais nada é tão sério assim para o Soldado da Paz, a não ser a certeza que ele tem de que a missão será cumprida.

“O fato de eu me sentar um pouco agora, não quer dizer que amanhã não estarei novamente com a espada na mão olhando em direção ao deserto”.

Boa semana pra você,

Thiago Mendes

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O Soldado da Paz, a cabana e o velho: mistério e sabedoria.


O Soldado da Paz avistou uma pequena casa ao longe, quase invisível.
“Vamos até lá”, disse virando Sanccor. Os companheiros demoraram a ver a cabana, e isto é porque sempre o olhar do líder vai mais longe, consegue ver soluções invisíveis aos olhos naturais.
Quando chegaram um homem velho com olhar disperso e livre saiu a porta para atende-los:

“Bom dia, jovens. Em que posso ajudá-los?”
Leonardo fez com que seu cavalo desse alguns passos à frente.

“Não estamos procurando nada, senhor. Apenas ficamos curiosos em saber quem morava nesta casa tão pequena”.

O velho neste momento sorriu.
“Aqui vive a sabedoria e você só a encontrou porque os olhos famintos pelo saber conseguem ver até mesmo em uma pequena cabana a oportunidade de descobrir coisas novas. Quem desejar ser sábio precisa ver em tudo um modo para aprender alguma coisa, até mesmo em coisas que parecem não nos oferecer nada”.



“O sábio não é aquele que possui respostas para todas as perguntas; e sim aquele que está disposto a mudar de direção para encontrar a sabedoria”.



Abraço Fraterno,


Thiago Mendes

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Uma viagem para dentro de mim.


O Soldado da Paz aprendeu com seu mestre que o dia de ontem já não é tão importante assim e é justamente por isso que resolve construir novos caminhos hoje. Ele acorda de manhã, faz sua prece, pega a armadura e vai à tenda dos companheiros para chamá-los. Precisam partir. Neste momento alguém faz a pergunta que ele mais detesta responder, não por implicância, mais sim por quase nunca saber responde-la: “Para onde iremos hoje, senhor?” – pergunta um de seus soldados mais inexperientes. Outros companheiros olham no novato com olhar de reprovação, entendendo que o mestre não gosta de ouvir aquela pergunta. Mais Leonardo resolve que será paciente com o novato, afinal, no início, todos temos o direito de errar. Depois de sorrir para descontrair a si mesmo e para mostrar a todos que está tudo bem, o bravo guerreiro tenta responder aquilo que nem ele mesmo sabia: “Você está começando agora, o importante não é saber para onde vamos, e sim se seremos capazes de fazer hoje uma viagem para dentro de nós mesmos e corrigir nossos erros. A estrada mais difícil de ser percorrida é aquela que está perdida na imensidão da floresta da nossa alma”.

O jovem soldado não diz nada, entendeu o recado. Todos montam seus cavalos e partem para a uma terra distante, para dentro de seus próprios corações.


“O Soldado da Paz mais corajoso é aquele que é capaz de enfrentar a si mesmo e seus próprios desvios de conduta”.


Com carinho,


Thiago Mendes

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O buraco na tenda: uma estrada para o infinito


O Soldado da Paz acordou no meio da noite sentindo a presença do inimigo. Não ouviu barulho, nem viu luzes no acampamento, mais sabia que de alguma forma o adversário estava ali, calado observando-o. O inimigo é menos perigoso quando está sendo avistado do outro lado do vale; os piores ataques acontecem quando não conseguimos localizar o inimigo e o Soldado da Paz prudente sabe muito bem disso.
Leonardo se ajoelha ao lado de sua cama, faz uma prece e pede para que um de seus guardiões mande o inimigo para um lugar distante dali, aí é quando ele ouve o barulho do vento do deserto que leva para longe o seu mortal adversário e com ela sua fúria do inferno. A partir deste momento o Soldado da Paz já não consegue dormir mais, fica observando as estrelas pelo buraco na tenda e percebe que uma pequena brecha abre caminhos para o Universo. O Soldado aprendeu a lição: o inimigo só se aproxima quando percebe um buraco, por menor que seja, na tenda de nossas vidas.


"Se existe um buraco na nossa tenda, é por ele que o inimigo nos observa!"

Thiago Mendes


terça-feira, 11 de agosto de 2009

O que é a morte?


É a travessia do rio.
É remar rumo ao outro lado.
Todos estamos em constante morte, mesmo quando nem nos lembramos dela.
Não adianta fugir, todos vivemos em cima de uma esteira, que rola vagarosamente e lá na frente uma guilhotina que sobe e desce, afiadíssima espera sedenta uma cabeça para cortar. Não adianta fugir para lugar algum, a guilhotina é o mundo inteiro e não importa para onde fujamos, sempre, lá estará ela, subindo e descendo. Quando chega a vez, o sujeito fecha os olhos, respira fundo e deixa ir. Depois da guilhotina existe o rio. Aqueles que se prepararam para o grande dia, descerão o rio e os que viveram como desejaram, sem pensarem no dia da travessia serão obrigados a remar eternamente para cima.


Pense.




Ame sem esperar recompensas


Existem momentos em que gostaríamos muito de ajudar determinada pessoa, mas não podemos fazer nada. Ou as circunstâncias não permitem que nos aproximemos, ou a pessoa está fechada para qualquer gesto de solidariedade e apoio.
Diz o mestre:
“Resta-nos o amor. Nos momentos em que tudo o mais é inútil, ainda podemos amar, sem esperar recompensas, mudanças, agradecimentos. Se conseguimos agir desta maneira, a energia do amor começa a transformar o universo à nossa volta. Quando esta energia aparece, sempre consegue realizar o seu trabalho”.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A ponte e a pinguela


Existe gente que, ao invés de tentar melhorar aquilo que faz, procura sempre destruir o que os outros estão tentando fazer.
A história seguinte é baseada num conto de Silvio Paulo Albino.
Certo homem, depois de muitos anos de trabalho e meditação sobre a melhor maneira de atravessar o rio diante de sua casa, construiu uma pinguela sobre ele. Acontece que os habitantes da aldeia raramente ousavam atravessá-la, por causa de sua precariedade.
Um belo dia apareceu por ali um engenheiro. Junto com os habitantes, construíram uma ponte, o que deixou enfurecido o construtor da pinguela.
A partir daí, ele começou a dizer, para quem quisesse ouvir, que o engenheiro tinha desrespeitado o seu trabalho.
“Mas a pinguela ainda está lá!”, respondiam os habitantes. “ É um monumento aos seus anos de esforço e meditação”.
“Ninguém a usa”, o homem, nervoso, insistia.
“O senhor é um cidadão respeitado, e nós gostamos do senhor. Acontece que, se as pessoas acham a ponte mais bela e mais útil que a pinguela, o que podemos fazer?”
“Ela está cruzando o meu rio!”
“Mas senhor, apesar de todo o respeito que temos pelo seu trabalho, queríamos dizer que o rio não é seu. Ele pode ser atravessado a pé, por barco, a nado, de qualquer maneira que desejarmos; se as pessoas preferem cruzar a ponte, por que não respeitar o desejo delas?”
Finalmente, como podemos confiar em alguém que, ao invés de tentar melhorar a sua pinguela, passa o tempo todo criticando a ponte?

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O amor sabe dançar


Se eu chorar, me desculpe é que sinceramente não me contive.
Se eu sorrir, perdoe a minha livre bobagem de ser; é que é assim mesmo que sou.

Desculpe se desejar um pouco mais, é que às vezes exagero mesmo, e este é um dos meus piores erros: quando amo, amo demais, e quando não amo, bom simplesmente não amo.
Compreenda-me se eu me exaltar na ora do show, é que sou bastante emotivo e ainda mais quando ao lado de quem mais amo, leve seu lenço, pois provavelmente irei precisar.

Quando tocar a nossa música predileta, não me negue uma dança; sei que nunca fui um grande dançarino, mais o que significam os passos quando estamos ao lado de quem mais amamos?

Não demore muito a se arrumar, espero enquanto escrevo e escrevo enquanto espero, assim me equilibro, pois suporto uma das coisas que mais detesto fazer:esperar! Fazendo uma das quais mais amo realizar: Escrever.

Que bom que já está pronta, eu também estou...


quinta-feira, 6 de agosto de 2009

A derrota no Everest


Edmund Hillary foi o primeiro homem a subir o Everest, a montanha mais alta do mundo. Seu feito coincidiu com a coroação da Rainha Elizabeth, a quem dedicou a conquista, e de quem recebeu o título de “Sir”.
Um ano antes, Hillary já havia tentado a escalada, e fracassara por completo. Mesmo assim, os ingleses reconheceram seu esforço, e o convidaram a falar para uma numerosa platéia.
Hillary começou a descrever suas dificuldades, e, apesar dos aplausos, dizia sentir-se frustrado e incapaz.
Em dado momento, porém, largou o microfone, aproximou-se da enorme gravura que ilustrava seu percurso, e gritou:
“Monte Everest, você me venceu esta primeira vez. Mas eu irei vencê-lo no próximo ano, por uma razão muito simples: você já chegou ao máximo de sua altura, enquanto eu ainda estou crescendo!”

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Estou em pleno equilíbrio


O equilíbrio é o segredo daqueles que conseguem viver em paz e cumprir a missão que a Vida lhe entregou. Não desejo me ver como a pessoa mais fraca do mundo, mais também tenho consciência de que não sou o super-mam. Não sou o homem mais burro do planeta nem o senhor sabedoria. O segredo de tudo é saber que não estou perdido nem totalmente achado e sim em plena construção.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

O que o meu anjo da guarda gostaria de dizer


Meu anjo da guarda começa mais um dia de trabalho cansativo. Me olha na cama, ele sempre acorda dez minutos antes de mim - para se vestir de anjo. Coloca a espada de lado, arruma o cabelo e torce para que eu me meta em menos confusão neste dia.
“Tomara que ande mais de vagar neste carro louco, que olhe dos dois lados antes de atravessar a rua, que ore antes de comer, que se meta menos em encrencas”, pensa ele.

Aí eu me levando, escovo os dentes e meu anjo me lembra de orar. Faço uma oração rápida e saio para a vida. Não estou, mais sei que está comigo.

Agora escrevendo aqui da redação fico pensando, o que ele gostaria de me dizer agora?

Erramos menos, quando sabemos que estamos sendo observados,

Thiago Mendes

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A joia mais bela é aquela que não pode ser vista


Mahatma Gandhi, depois de ter conseguido a independência da Índia, fez uma visita à Inglaterra. Passeava com algumas pessoas pelas ruas de Londres, quando sua atenção foi atraída para a vitrine de uma famosa joalheria.
E ali ficou Gandhi, olhando as pedras preciosas e as joias ricamente trabalhadas.
O dono da joalheira imediatamente o reconheceu, e foi até a rua, saudá-lo.
“Muito me honra que o Mahatma esteja aqui, contemplando o nosso trabalho. Temos muitas coisas de imenso valor, beleza, arte, e gostaríamos de oferecer-lhe algo”.
“Sim, estou admirado com tanta maravilha”, respondeu Gandhi. “E mais ainda surpreso comigo, pois sabendo que podia ganhar um rico presente, ainda consigo viver e ser respeitado sem precisar usar joias”.
Deixe as jóias que estão dentro de você cada dia mais belas.

Pense nisso,

Thiago Mendes

Sobre a coragem!

A coragem é um ato de nobreza e precisamos dela tanto para iniciar quanto para encerrar ciclos. A coragem que diz ao guerreiro: "Vá ...