sábado, 31 de maio de 2008

UM SOLDADO DA PAZ TAMBÉM PODE AMAR

Um dia, sempre temos que abandonar os carrinhos coloridos da infância para nos apossar das regras em preto e branco da vida adulta sem emoções. O caminhãozinho de brinquedo cresce, deixa de ser um brinquedo e passa ser obrigação. As panelas do cozinhadinho se transformam em comida de verdade e assim a vida vai perdendo a cor do pode ser, para o preto e branco do tem que ser.
Nossa vontade é de ser filhos, mas ninguém quer viver sem sentir o gosto doce de ser pai. Sim, fui pai sendo ainda muito filho e só aí entendi o porquê dos mil porquês que a minha mãe sempre me propôs.Sendo filho, e sendo pai, compreendo os sorrisos meigos do Israel (meu filho) na alegria de minha chegada do trabalho e sei o que quer dizer a bronca por telefone que minha mãe sempre dá – por telefone, pois no cara a cara, o olhar doce de amor não permite broncas o que a irrita ainda mais. Ela então fica apaixonadamente irritada, isso me faz rir.
Sendo um pequeno filho, sem deixar de ser um velho pai, posso muito bem traduzir em vida as artes desenhadas pelo pequeno Israel que apenas abre as mãozinhas como se não soubesse de nada e com olhinhos arregalados diz: “arte papai, arte”.
Na mãe dele, minha amada companheira pra toda vida, pastora Fran, vejo apenas o raivoso orgulho de ver o filho aprontar, e ela me fala como se estivesse morrendo de raiva: “Mozin, o Israel está muito custoso”. Eu muito preocupado com as cores que ele pinta, apenas digo: “verdade”, não querendo mostrar o orgulho que se processa até mesmo das fanfarrices que ele apronta.
E assim vou voando... Deitado no colo de quem amo, ouvindo broncas de quem amo, falando muito bravo pelas artes de quem amo, pregando com toda intensidade a Palavra que amo e a quem amo.
De que importa o lado do vento? O que vale é que estou voando sobre terras que sempre amei e onde posso repousar do meu constante vôo.

Quem sabe amar, então pode me compreender.
Não permita que sua vida perca o colorido.

Lembre-se: Um Soldado da Paz também pode amar!


Thiago Mendes

sexta-feira, 30 de maio de 2008

SOLDADO DA PAZ: VIDA, MORTE - É RAPIDINHO, MAS É ETERNO.



Um Soldado da Paz, jamais se sente só. No meio de uma batalha, quando está com os companheiros carregando a espada, sente a proteção de cada um. E quando está na tenda, na solidão da noite também sabe que não está só. Sim, o Universo lhe faz companhia. Um Soldado da Paz não teme nem a vida nem a morte; está sempre preparado para as duas coisas. Na verdade cada pessoa que luta sobre o chão da vida deve estar sempre preparado, afinal para quem está no campo de batalha, a morte é sempre uma opção mais que real. O Soldado da Paz, jamais cai no erro de imaginar que a eternidade já chegou, por isso, vive-se sempre grato pelo que já foi, feliz com o que se tem e na espera do tem certeza que ainda virá, e assim, a vida segue, cheia de certas incertezas, construindo-se uma vida que não se sabe, jamais se poderá ser habitada.

Pense nisso,

Thiago Mendes

quinta-feira, 29 de maio de 2008

CASAS E TENDAS: UMA NOVA REFLEXÃO SOBRE BABEL E SEUS AMIGOS




Habitar em tendas não é sinônimo de miséria e sim de pura liberdade. Quando nossa alma é preza as edificações chamadas terrenas, ela sempre será uma alma escrava. Foi o Mestre dos mestre que disse: “Onde estiver o seu tesouro aí estará também o seu coração”.
Então se nosso tesouro estiver impregnado em construções fixas, seremos habitantes fixos de um lugar e não seres existencialmente livres para a vida que se movimenta todos os dias. Não podemos fazer da casa, algo mais importante que seu habitante. O importante não é o prato e sim o que se tem nele para comer. O mais importante não é o copo e sim a água que mata a sede, por isso, entenda que você é mais importante que qualquer construção fixada. Se olhamos para a Religião, ela constrói casas o tempo todo com seus prédios e Torres de Babel que ajuntam todos os homens que se alimentam da rigidez fixa das lógicas religiosas e saboreiam deste mesmo pão. Talvez seja por isso que a profissão do Apóstolo Paulo não era ser pedreiro, ou arquiteto e sim construtor de tendas. O Apóstolo construía tendas nos corações das pessoas. Jesus curava e não impunha requisitos de fixação. Depois da cura sempre havia o “vai-te em paz”, ou “vai e não peques mais”. Na tenda é sempre vai...pois o nosso tesouro está no alto, para onde caminhamos dia-a-dia, até o que o Dia chegue.

Pense nisso,

Thiago Mendes
Frase do dia: "Nenhum caminho é tão estreito quanto àquele que ainda não construi".

segunda-feira, 26 de maio de 2008

O JULGAMENTO DE JESUS: EU ESTAVA LÁ


No julgamento de Jesus havia pessoas de todos os modos, vindos de todas as partes para a festa da páscoa. Ele havia sido preso a noite e agora, ao amanhecer, por volta das 6:30 da manhã, quando o movimento em Jerusalém já começava a esquentar, quando a cidade já estava acordada, ele foi apresentado à Pilatos. O governador analisou o caso, era apenas mais um dentre as centenas que ele julgava todos os meses. Era só mais um baderneiro, ou alguém que havia caído na empatia popular e que por isso estava ali para ser preso e quem sabe até condenado à morte.
As pessoas vão pouco a pouco chegando, primeiro os sacerdotes, os funcionários, soldados, curiosos, cada um vai encontrando um canto, encostando-se à parede ao fundo, enfiando no meio da multidão afim de não ser percebido, sem perder o momento. Alguns comentários se iniciam: “Este não é aquele que há alguns dias foi recebido aqui na cidade sendo aclamado como Rei dos Judeus?”. “Sim”, disse alguém com um sorriso cínico. “O mundo dá mesmo muitas voltas, não é mesmo?”. Um homem vira para traz e faz apenas um comentário: “Quis aparecer demais, deu no que deu”.
A ambiente continuava ríspido. Alguns trabalhadores que seguiam para o campo, vendedores ambulantes, algumas crianças e poucas mulheres com olhar assustado iam se aproximando.
“Ele até que não é má pessoa, o problema é que se misturou muito com pecadores, devia ter se aliado aos fariseus, se assim tivesse sido, jamais estaria nesta situação delicada”, falou um homem com aparência de justo.
No mesmo pátio e com uma consciência tão mais elevada quanto seu posto sobre os outros, Pilatos questionava o réu: Tu és o Rei dos Judeus?
“Tu o dizes”, responde com olhar firme e amável.
A multidão observa atenta.
O Réu não apresenta medo, o que surpreende o Governador, que descobre que ele é da jurisprudência de Herodes e o envia ao tetrarca.

Agora o sol já estava bem quente na Cidade Santa. Os comerciantes de Jerusalém esperavam animados o início da páscoa e não tinham tempo para se importar com o julgamento de mais um criminoso qualquer, mas como o alvoroço estava um pouco maior que o comum, várias pessoas começaram a acompanhar o comboio que levava o tal criminoso ao julgamento de Herodes.
Os meninos corriam atrás dos soldados. “Tio, ele matou quem?”, pergunta um deles que seguia a multidão ao soldado. “Não matou ninguém!”. “O que ele roubou?”. “Não roubou”.

Quando Herodes viu o Réu ficou muito alegre, pois há muito tempo queria vê-lo. O tetrarca começou a fazer perguntas, mas o acusado nada respondia, o que acabou gerando certo desprezo por conta de Herodes que não encontrou nenhum crime e resolveu devolve-lo ao julgamento de Pilatos.
O vai-vem foi despertando a curiosidade popular que ia se aglutinando mais e mais, no caminho de volta à Pilatos. O Governador ao ver que Herodes também não tinha julgado desejou soltá-lo. E pediu que os soldados buscassem o pior dos presos que estava para ser julgado, aquele que causava medo em todo o povo, assim espertamente, por ser época da páscoa e ser de costume soltar um dos presos, o povo seria obrigado a soltar o Réu que parecia inocente, afinal ninguém condenaria um inocente para soltar o pior de todos os criminosos.
“Nós temos este, senhor”, disse o soldado apresentando um homem com olhar perverso. “É o criminoso mais perigoso de toda Jerusalém. É ladrão, assassino e temido por todo o povo”.
Pilatos não disse nada, mas imaginou que agora ele conseguiria se livrar do julgamento, o criminoso era pior que pensava.
O governador olhou para a multidão que agora já era de centenas, a hora já se aproximava do meio dia e falou confiante na sua estratégia: “Tenho aqui o pior criminoso que esta cidade já viu”. Ouviu-se um barulho de surpresa da multidão.
“Barrabás, assassino, ladrão e rebelde”.
Os cochichos começaram no meio da massa. Alguns diziam baixo que Barrabás já havia roubado de um parente, que tinha assassinado um conhecido. O Governador pediu silêncio.
A multidão se silenciou. Pilatos fez a pergunta já certo da resposta:
“Jesus ou Barrabás”?
No meio da platéia que assistia o “espetáculo” tinham quatro tipos de pessoas:
1- Os sacerdotes que eram incomodados pelas palavras de Jesus;
2- A multidão que não sabia por que estava ali e nem o que dizia;
3- Os que conheciam a Jesus mais estavam com medo de se pronunciar;
4- E ricos demais, como Nicodemos e como José de Arimatéia que certamente estavam na platéia, conheciam Jesus, mas a pose jamais permitiria tal vexame.

Se eu estivesse lá, o que eu teria gritado? Será que teria me calado pela conveniência? Teria me escondido em um canto?

O Governador repete a pergunta: “Jesus ou Barrabás”. A multidão como um coro afinado grita quase que unânime: “solte Barrabás, crucifique Jesus” e repetidas vezes a melodia foi sendo cantada pela multidão: “solte Barrabás, crucifique Jesus”. O governador lavou as mãos.

Aqui, vemos a primeira ação do salvador, que se coloca no lugar dos piores homens. Todos nós somos Barrabás, todos nós somos Pilatos, todos nós somos a platéia do julgamento. Ele foi para a Cruz, quando quem deveria ir era o pior dos pecadores, ou seja: eu. Barrabás representa todos os que deveriam ser crucificados, Jesus não subiu não Cruz só no lugar dele, mas no lugar de todos nós!
Pense nisso,



Thiago Mendes



segunda-feira, 12 de maio de 2008

PORQUE EXISTE A FOME?

Quando Deus criou o mundo, ele preparou neste Universo que abriga o mundo, todas as coisas para que este mundo se sustente, o que podemos chamar de Ordem Universal, de tal forma que a comida é gerada pela terra, que produz a minhoca que é adorada pelo peixe que é adorado pelo pescador, e assim, o Universo se sustenta assim mesmo, a chuva cai no tempo certo, o sol nasce pela manhã como já lhe é ordenado, os animais sabem os quais ele deve comer para sobreviver e não há nada que não esteja pronto para a vida. Então porque existe a fome? A fome é o caos da desordem, a ordem desestabelecida gera fome, gera conflitos, doenças. Até um cataclismo ambiental que na verdade é a desordem da própria ordem desordena o curso natural da vida.

Onde está então o suprimento? Está no universo, em algum lugar se há ordem, há comida, há vida.

Vamos cuidar da nossa casa.

Frase do dia: “Mantenha a ordem a ordem em sua vida e tudo estará em ordem”.

Receba meu carinho e minhas orações,

Thiago Mendes

domingo, 11 de maio de 2008

SEGUINDO BONS CONSELHOS


Quando colocamos um projeto à nossa frente, precisamos buscar realizá-lo com todas as forças que possuímos. Não justifica dizer que quero se só espero, se espero se me desespero. Quem deseja de verdade, sempre vai, busca e luta com todas as forças pelo prêmio que deseja ter. Apenas passar a vida dizendo que sonha em conquistar isso ou aquilo jamais nos levará a conquista. Um conquistador precisa respirar, anelar, desejar mais que tudo o que quer ter, para assim obter o que quer.

Três dicas :
1- Tenha certeza de estar escolhendo a coisa certa;
2-Mergulhe de cabeça no projeto analisando sempre se está no caminho certo e se não está sendo ridículo;
3-Ouça conselhos de pessoas mais sábias que você. Os conselhos diminuem a frequência dos erros.

E esta fica sendo a frase do dia: “O orgulho é caminho de ruína, mas a sabedoria é grande amiga dos bons conselhos”.

Abraço Fraterno,

Thiago Mendes

terça-feira, 6 de maio de 2008

O PERFEITO CAMINHO DOS JUSTOS

Nenhuma decepção justifica uma desistência;
Nenhum prêmio pode ser maior que o desejo de alcançar meu Sonho Individual;
Nenhum caminho pode ser mais trilhado que o Caminho das Possibilidades;

Quando vejo alguém que desistiu da jornada por causa que qualquer motivo, meu coração se entristece, pois suas missão nunca foi prioridade em sua vida. Quando temos a missão como foco central nada pode atrapalhá-la, nem frustrá-la.

Frase do dia: “As frustrações podem ser as pedras do Caminho, mas jamais podem se tornar o Caminho de quem trilha pelas vias da vida”.


Com todo amor, respeito e carinho do mundo,

segunda-feira, 5 de maio de 2008

DE VITÓRIA EM DERROTA – DE DERROTA EM VITÓRIA

“O excesso de conquistas pode deixar o Soldado da Paz menos vigilante e isto pode ser extremamente perigoso”, diz Leonardo enquanto cavalgam nas proximidades de Zilda.

“Mas não é sempre bom ganhar, senhor”?, pergunta um soldado no meio da multidão.

“Claro, mas nenhuma vitória pode nos fazer menos apaixonados pela batalha”, começou. “Quando aceitamos a espada, estamos aceitando a vida e a morte, de forma tal que nenhuma nem outra nos assusta”.


Frase do dia: “Duas vitórias seguidas não nos fazem eternos vencedores; nem duas derrotas nos transformam em eternos perdedores”.

Com espírito de guerra e coração pacífico,

Thiago Mendes


Daqui pra frente!

Vai com fé que dá. Você já tem muita luz, são se ofusque. Não se acanhe com olhares de reprovação. Não se abale com comentários negativ...