quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Sobre esta dura arte de viver!

Eu já perdi e já ganhei. Já feri, já fui ferido; já fui injusto e injustiçado. Já sofri por amor e já fiz sofrer por ele – ou por sua ausência. Mas é nesta contínua seqüência de quedas, revanches e superações que a gente vai sendo lapidado na dura arte de viver. A vida não é para os moles. Ela é dura como a realidade e insensível como a razão. Os fracos, embora compartilhem da existência, estão sempre fugindo do inevitável: “Estamos bem como estamos, não precisamos nos arriscar”, dizem. “Nossa situação é cômoda, e correr riscos é uma aventura desnecessária”. Mas a vida passa para todos nós. E os que não foram capazes para enfrentá-la, partem para seus túmulos felizes. Sem inimigos, sem cicatrizes e sem boas histórias para contar.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Sobre a fé!

Todos nós perdemos fôlego e forças em algum ponto da jornada. Mesmo que estejamos bem resolvidos nas dimensões da alma e do espírito – em alguns momentos somos tentados a deixar o bom combate. “Se tu és mesmo um dos filhos de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães”, diz o adversário em tom irônico. Nossa alma faminta geme. Nossas convicções firmes nos empurram adiante. Mais alguns passos. Mais algum tempo. Mais alguns anos. E aí, lá na frente, afirmaremos: “combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé”. Quando falta fôlego e ânimo acionamos a fé e é ela que nos dá forças para seguir adiante.

A sutileza!

Não é ‘‘no braço’’, é no abraço. Não é a força do golpe, mas a habilidade de bater sem abater. Quando alguém precisa gritar pra ser ouvido,...