terça-feira, 28 de abril de 2015

Sobre a causa!

Às vezes o Soldado da Paz para tudo e se pergunta: “Afinal, qual tem sido a minha causa?” O guerreiro aprendeu que uma vida sem causa, é também, uma vida sem razão, sem por que. Devemos nos lembrar de que existe um sentido maior de estarmos aqui nesta vida. Que busquemos este sentido todos os dias e, quando o encontrarmos - agarremo-nos a esta causa que nos trouxe até aqui e dediquemo-nos a ela com todas as forças. Nós precisamos tanto do combate quanto ele precisa de nós. Lembre-se: a espada que às vezes nos fere, é também a mesma que mantém vivo o nosso sentido de existir.

domingo, 26 de abril de 2015

Sobre o perfeito amor!

O amor se reconstrói. Se refaz. Se reencontra. Se adapta. Cede. Abre mão de suas próprias vontades em razão de uma vontade maior. Aceita. Interpreta a vida sem segundas intenções. Ele é puro. Manso. Compreensivo. Pacífico. Extraordinariamente realizador. O amor restaura a alma e escolhe os seus passos sem pisar em ninguém. Não trabalha apenas em prol de si próprio. Ele aceita os degraus que a vida lhe impõe com paciência e serenidade. O amor é um dom. É gratuito. É de todos aqueles que disserem com coragem: “Sim, eu aceito o desafio de amar e ser amado!”.
Thiago Mendes

terça-feira, 21 de abril de 2015

Sobre o choro, a queda e a missão!

O Soldado da Paz já chorou mais de uma vez. Em todas elas, sempre houve alguém que disse: “Ele é fraco. Chora por bobagens e não faz nem mesmo questão de esconder”. Mas o guerreiro enxugou suas lágrimas e seguiu em frente. O Soldado da Paz já errou mais de uma vez. Em todas elas, alguém disse: “Ele é falho como todos os outros e jamais irá se levantar”. Mas o guerreiro sacudiu a poeira de seus equívocos, reparou o que lhe foi possível e seguiu adiante. Ele aprendeu que todos os homens, mais cedo ou mais tarde acabam caindo, mas só os tolos permanecem no chão.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Sobre o poder da decisão!

Às vezes o Soldado da Paz diz a si mesmo: “O grande poder do ser humano está na sua capacidade de tomar decisões. Cada decisão que tomamos nos permite modificar o futuro e o passado. Escolher, porém, significa comprometer-se. Quando alguém faz uma escolha, deve lembrar-se que o caminho a ser percorrido vai ser muito diferente do caminho imaginado. Escolher significa dizer: bem, eu sei onde quero chegar. A partir daí, é preciso estar atento ao mundo, porque uma decisão deflagra uma série de eventos inesperados. Comprometa-se com a sua decisão – seja ela no campo afetivo, profissional ou espiritual; tudo que sua decisão precisa é de sua vontade de seguir adiante. De resto, ela mesma lhe tomará pelas mãos, e lhe mostrará o melhor caminho”.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Sobre o arbítrio!

Eu estou aqui sem poder dar um passo a mais. Fui paralisado pelo senso de que, o próximo centímetro de sua vida já não me cabe. Sei que se aproximar-me mais, invadirei espaços que não são meus e, portanto, causarei mais prejuízos que benefícios. Sinto-me como aquele Anjo da Guarda que se senta no alto da montanha e assiste ao seu protegido cometer bobagens aqui em baixo. O Guerreiro Celestial certamente gostaria de impedi-lo, mas seus atributos não são estes. Assim como meus atributos, bem mais rasos que os do anjo solitário, terminam aqui. Nem mais um passo. Nem mais uma palavra. O resto é território sagrado. O resto é arbítrio.

Sobre rasgar as vestes e o coração!

Senhor, venho mais uma vez rasgar as minhas vestes e meu coração diante de Ti. Ajuda-me a ser mais compreensivo e que eu seja capaz de aceitar com mais facilidade estas mudanças que a vida nos propõe. Dê-me forças, meu Senhor, pois não quero ter lábios acusadores e maldosos no falar. Dê-me um olhar mais brando. Perdoe-me, Senhor, por tantas e tantas falhas. Ajuda-me a ser mais parecido Contigo. Renova-me. Restaura-me. Que sejas feita a Tua vontade, jamais a minha. Amem.
Thiago Mendes

terça-feira, 7 de abril de 2015

Sobre calar a vaidade!

E assim eu sigo... Às vezes sem direção, às vezes só, às vezes triste, às vezes com medo, às vezes desanimado, às vezes fraco, às vezes ferido... Mas ainda estou vivo e isto significa que as coisas podem mudar. Dizem que enquanto há fôlego, há também a esperança. Estou tentando calar as vozes de minhas vaidades. Sem o fardo de suas acusações fica mais leve seguir adiante. Tenho aprendido que quanto mais pretensiosa, mais sofrida a vida é. Quero aprender a viver com menos. A ser pleno sem ter mais. Àqueles nos desejam o bem, digo que fiquem tranquilos, tivemos alguns contratempos na viagem, mas chegaremos antes que termine a festa. Estou em paz. Não que esteja doendo menos. Mas aprendi a conviver.
Thiago Mendes

Sobre a coragem!

A coragem é um ato de nobreza e precisamos dela tanto para iniciar quanto para encerrar ciclos. A coragem que diz ao guerreiro: "Vá ...