quarta-feira, 31 de julho de 2013

Sobre algo maior que castigo, merecimento e justiça!

De vez em quando o Soldado da Paz percebe que mesmo quebrando princípios, tudo continua dando certo. Vence batalhas, tem o respeito dos companheiros e sente-se bem espiritualmente, sem o vazio experimentado sempre que algo não ia bem entre ele e sua fé. Mas como tudo está bem, o Soldado da Paz segue sem correção. Só que algo acontece subitamente. É ferido pelas espadas de amigos e inimigos, vê seu grupo se desfazer e é engolido por uma profunda solidão. “É castigo,” diz alguém. “É merecimento,” diz outro. “É justiça”, afirma um terceiro. O Soldado da Paz ouve tudo isso em silêncio, mas sabe que é mais que castigo, merecimento e justiça: o amor supremo que permitiu tudo isso para lhe trazer de volta. “Castigo,” explica um mestre, “seria se tudo continuasse dando certo até o dia da prestação de contas”.


Thiago Mendes

terça-feira, 30 de julho de 2013

Sobre quando queremos realizar milagres com a própria força!

Às vezes o Soldado da Paz percebe que seu lado escuro está “brilhando” mais que seu lado iluminado. E todas as vezes que isso acontece, um sinal de alerta é acionado em seu coração. Neste momento o Soldado da Paz começa a meditar em busca de respostas.  “Deixou de alimentar a luz que há em você e as trevas ganharam espaço”, ouve seu anjo dizendo. “Volte às meditações diárias e busque alimentar o seu lado espiritual, desta maneira a luz voltará a brilha.” Neste momento o Soldado da Paz percebe que cometeu o erro de tentar realizar milagres com a própria força se esquecendo de acreditar que tudo o que ele tem foi dádiva, inclusive suas conquistas mais surpreendentes. O guerreiro encontrou seu erro e sabe que agora poderá encontrar seu retorno à luz. E é justamente isso que faz: amplia as meditações, gasta mais tempo fazendo preces que dando golpes e logo sente que sua luz voltou novamente a brilhar.


Thiago Mendes

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Sobre algo mais precioso do que bagres e tilápias!


Avô e neto vão pescar. O menino parece não se preocupar com os peixes.
"Vovô?", ele fita o velho. “E quando eu não souber o caminho?”“Siga seu instinto. As respostas estarão aí dentro!”
“E quando eu tiver medo?” “Lembre-se da eternidade. Lá, tudo ficará bem!”
“E quando eu sentir saudades?” “Lembre-se dos momentos passados. Eles te ajudarão a suportar!”
“E quando eu desejar desistir de tudo?” “Lembre-se das promessas que fez a si mesmo e aos outros. Talvez assim as chamas reacendam aí dentro!”
“E quanto todos estiverem contra mim?” “Avalie seus comportamentos. Pode ser que eles não estejam contra, mas apenas vendo algo que só você não consegue ver!”
Os peixes não renderam como esperavam, mas certamente o menino levou para casa algo mais precioso do que bagres e tilápias. 

Thiago Mendes

Sobre a coluna que está virando livro!

A coluna aqui deu frutos. Conseguimos alcançar centenas, milhares de corações com a mensagem do Soldado da Paz. Recebemos e-mails de agradecimento, nos encontramos com pessoas pela rua se dizendo gratas pelas palavras simples – mas verdadeiras e, acabamos encorajados a transformar a coluna em livro. Fizemos uma seleção apurada dos textos e estamos nos preparamos para lançar em setembro. A todos que acompanham regularmente o Diário de um Soldado, deixo meu agradecimento, carinho e o pedido para que nos ajude a alcançar mais pessoas com esta mensagem. Publicaremos dentro de alguns dias a data e o local do lançamento do livro e de antemão já deixo meu convite aqui para que todos que gostam do nosso trabalho estejam com a gente. Peço que curtam nossa página no face, assim teremos uma proximidade maior. Um beijo grande e conto com você em mais este desafio. 

Thiago Mendes

Curta: www.facebook.com/pastorthiagomendes 

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Sobre equilíbrio, honestidade e uma ótima sopa!


Era início de noite e o jovem Soldado da Paz já terminava o jantar. Ele começara há apenas alguns meses nos estudos do Caminho Sagrado e mostrava um bom desempenho. Aquele dia havia sido cansativo, aprendera sobre o equilíbrio. Quando vai tirar a panela de sopa da fornalha seu guia espiritual se aproxima. “Você é o pior de todos os alunos que já passaram por aqui”, fala em tom arrogante. O jovem não diz nada. Parece não se entristecer com o ataque. “Seu raciocínio é lento”, continua, “e além do mais está sempre desatento, tem memória ruim e já vi deixar as coisas caindo”. O aprendiz caminha até a mesa com a panela de sopa, serve primeiro o prato do mestre, depois o seu, e então finalmente responde. “Não é justo”, começa o jovem pegando duas colheres. “Eu vi seu plano de aula e já sabia que iria me afrontar na hora do jantar pra ver se eu deixaria o prato de sopa cair. Estamos estudando equilíbrio hoje e sei que queria testar pra saber se consigo me controlar quando sou desapontado”. O mestre abre um sorriso. “Eu não faço planos de aula. Deixei aquele papel cair de propósito. Estamos de folga amanhã. Iríamos estudar sobre honestidade, mas como você já aprendeu também esta lição - estamos liberados”. Os dois se calam. É hora de comer uma sopa temperada com equilíbrio e honestidade.

Thiago Mendes