domingo, 14 de fevereiro de 2016

Sobre quando fugimos do amor – e por isso o encontramos!

“O que você veio fazer aqui entre as montanhas, meu rapaz?”, perguntou Álih, o guia. Jávier, o aprendiz, já tinha seus olhos cheios de lágrimas. “Sou apenas uma pessoa covarde que decidiu fugir do amor. Descobri que sou desastrado e atrapalhado demais para amar. Em todas as vezes que tentei entregar-me a este sentimento acabei por fazer com que alguém sofresse. A estrada do amor é incerta, perigosa e cheia de muitas curvas”. O velho sorri de maneira respeitosa. “O amor adora os desastrados”, diz. “E sempre se revela àqueles que estão em constante fuga. A contradição é que geralmente o amor se esconde daqueles que vivem por persegui-lo e encontra aqueles que fogem dele”. O rapaz arregalou os olhos e também sorriu. “É fugindo que se encontra o amor. Aí só precisamos aceitá-lo em nossas vidas”.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Sobre o doce desafio de amar quem nos rejeita!

Quero sonhar na escuridão. Quero enxergar a beleza da vida mesmo naqueles dias mais turbulentos. Preciso amar quem me rejeita. Aceitar quem me despreza. Abrir a porta do meu lar e oferecer pão àqueles que um dia me pediram para sair. Aprendi que quando guardamos mágoa, estamos, antes de tudo, fazendo mal a nós mesmos. Reaprendamos a arte de viver. Sem mágoas, sem pesos e sem aqueles dramas desnecessários. A vida nos entregou gratuitamente um milhão de motivos para sorrir e não - não serão alguns probleminhas que nos farão desesperar e desistir de tudo. Eu escolho ser feliz, pois afinal será sempre melhor viver o lado bom das coisas.

Daqui pra frente!

Vai com fé que dá. Você já tem muita luz, são se ofusque. Não se acanhe com olhares de reprovação. Não se abale com comentários negativ...