sábado, 31 de maio de 2008

UM SOLDADO DA PAZ TAMBÉM PODE AMAR

Um dia, sempre temos que abandonar os carrinhos coloridos da infância para nos apossar das regras em preto e branco da vida adulta sem emoções. O caminhãozinho de brinquedo cresce, deixa de ser um brinquedo e passa ser obrigação. As panelas do cozinhadinho se transformam em comida de verdade e assim a vida vai perdendo a cor do pode ser, para o preto e branco do tem que ser.
Nossa vontade é de ser filhos, mas ninguém quer viver sem sentir o gosto doce de ser pai. Sim, fui pai sendo ainda muito filho e só aí entendi o porquê dos mil porquês que a minha mãe sempre me propôs.Sendo filho, e sendo pai, compreendo os sorrisos meigos do Israel (meu filho) na alegria de minha chegada do trabalho e sei o que quer dizer a bronca por telefone que minha mãe sempre dá – por telefone, pois no cara a cara, o olhar doce de amor não permite broncas o que a irrita ainda mais. Ela então fica apaixonadamente irritada, isso me faz rir.
Sendo um pequeno filho, sem deixar de ser um velho pai, posso muito bem traduzir em vida as artes desenhadas pelo pequeno Israel que apenas abre as mãozinhas como se não soubesse de nada e com olhinhos arregalados diz: “arte papai, arte”.
Na mãe dele, minha amada companheira pra toda vida, pastora Fran, vejo apenas o raivoso orgulho de ver o filho aprontar, e ela me fala como se estivesse morrendo de raiva: “Mozin, o Israel está muito custoso”. Eu muito preocupado com as cores que ele pinta, apenas digo: “verdade”, não querendo mostrar o orgulho que se processa até mesmo das fanfarrices que ele apronta.
E assim vou voando... Deitado no colo de quem amo, ouvindo broncas de quem amo, falando muito bravo pelas artes de quem amo, pregando com toda intensidade a Palavra que amo e a quem amo.
De que importa o lado do vento? O que vale é que estou voando sobre terras que sempre amei e onde posso repousar do meu constante vôo.

Quem sabe amar, então pode me compreender.
Não permita que sua vida perca o colorido.

Lembre-se: Um Soldado da Paz também pode amar!


Thiago Mendes

Nenhum comentário: