quarta-feira, 27 de maio de 2009

A misericordia, o ermitão e o monge que pecou


Um dos monges do mosteiro de Sceta cometeu uma falta grave, e chamaram o ermitão mais sábio para que pudesse julgá-lo. O ermitão se recusou, mas insistiram tanto que ele terminou por ir. Antes, porém, pegou um balde de e furou-o em vários lugares. Depois encheu o balde de areia e se encaminhou para o convento.
O superior, ao vê-lo entrar, perguntou o que era aquilo. "Vim julgar meu próximo", disse. "Mas meus pecados estão escorrendo atrás de mim, como a areia escorre deste balde. Mas, como não olho para trás, e não me dou conta dos meus próprios pecados, fui chamado para julgar o meu próximo e estou aqui para isso!

Os monges desistiram da punição na mesma hora.

Nosso problema é que somos muito severos em relação ao erros dos outros, e excessivamente misericordiosos em relação aos nossos.

Que isso sirva para a nossa vida,

Thiago Mendes

Um comentário:

Rejane disse...

Olá Thiago,

encontrei o seu blog através das minhas andanças virtuais. Gostaria de acompanhar suas produções, se não se importar.
Em relação a essa história que você contou, é verdade. Tem muita gente que acha que pode sair por aí julgando os outros e esquece de olhar pra si próprio.

Bom texto...

Daqui pra frente!

Vai com fé que dá. Você já tem muita luz, são se ofusque. Não se acanhe com olhares de reprovação. Não se abale com comentários negativ...