quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Sobre os extremos da vida!


E assim eu vou vivendo. Repleto destas minhas certas indecisões. Nem tão longe, nem tão perto. Nem tão louco, nem tão são. Nem tão ébrio, nem tão sóbrio. Confesso que só vivo porque tenho aprendido a amar. E é o amor que nos empurra, nos puxa e nos equilibra nesta corda bamba que se torna a vida. Ontem herói, hoje vilão; amanhã só Deus sabe. Não estejam tão certos da minha inocência, nem me joguem com tanta dureza na parede chapiscada por seus julgamentos. Nem tão rápido, nem tão devagar. Enquanto não decido para qual dos extremos ou vou, bem, vou vivendo aqui mesmo – onde a vida me colocou. 

Nenhum comentário:

O florescer!

Você ainda há de florescer. Sei que ouviu muitas palavras duras e que depois disso seu coração entristeceu. Também sei que nem sempre são as...