terça-feira, 2 de abril de 2013

Sobre o perfume de todas as rosas!


Talvez nunca sejamos capazes de viver tudo aquilo que a vida, bondosa e gratuitamente, nos ofereceu. Seria impossível sentir o perfume de todas as suas rosas ou derramar todos os seus prantos. Sim, talvez a vida seja ampla demais para que sejamos capazes de viver todos os seus amores e de sofrer todas as suas dores. O inesperado, que assusta e dá gosto à existência, as emoções que surgem do nada e, embora jamais tenhamos sentido sua falta, em pouco tempo começamos a descobrir que já nos tornamos incapazes de viver sem elas, ou pessoas com as quais nunca estivemos antes, mas que, pouco a pouco, vão ocupando tanto espaço em nossas vidas, a ponto que chegamos a nos perguntar: Como era viver antes de tudo isso? Era! Quanto mais achamos que somos donos da vida, mais descobrimos que não somos donos de nada. É melhor viver tudo aquilo que pudermos sem o peso de ter deixado para traz algo importante. A vida é tão infinitamente ampla que nela, sempre faltará algo relevante sem ter sido feito.

Thiago Mendes

Nenhum comentário: