quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

EU QUERO VIRAR UM ANJO



O abade João Pequeno pensou: “preciso ser igual aos anjos, que nada fazem, e vivem contemplando a glória de Deus”.

Naquela noite, abandonou o mosteiro de Sceta e foi para o deserto.

Uma semana depois, voltou para o convento. O irmão porteiro escutou-o bater na porta, e perguntou quem era.

“Sou o abade João”, respondeu. “Estou com fome”.

“Não pode ser”, disse o irmão porteiro. “O abade João está no deserto, se transformando em anjo. Já não sente mais fome, e não precisa trabalhar para sustentar-se”.

“Perdoa meu orgulho”, respondeu o abade João. “Os anjos ajudam a humanidade; este é o trabalho deles, e por isso não precisam comer, apenas contemplar. Mas eu sou um homem. A única maneira de contemplar esta mesma glória é fazendo o que os anjos fazem – ajudando meu próximo. O jejum não adianta nada”.

Ouvindo o gesto de humildade, o irmão porteiro tornou a abrir a porta do convento.

PARA A VIDA:

“Um dos piores erros que podemos cometer é desejar ser o outro. No máximo podemos fazer as bondades que os outros fazem, e isso, sem deixar de ser nós mesmos”.

Thiago Mendes

Um comentário:

Jocianne disse...

Desejar a vida do outro só atrasa o nosso próprio crescimento... é preciso saber viver como "nós" e principalmente fazer o bem a todos.